sexta-feira, 10 de outubro de 2008

Cabo Ledo – um paraíso ameaçado!



Que Angola é um país de muitos contrastes, isso todo mundo já ouviu falar.

Se de um lado existe a riqueza do petróleo e dos diamantes do outro existe a miséria e a fome da grande maioria da população...

Enquanto uma minoria chega ao país com pós graduação no exterior, a maioria da população é composta por analfabetos...

De um lado as belezas naturais e do outro o crescimento desordenado e a exploração desenfreada...

Agora, que existem leis ambientais para proteger e preservar as riquezas naturais dessa terra abençoada, quem é que sabe? Tenho acompanhado de perto a destruição de um paraíso natural em nome da “reconstrução” do país.

Cabo Ledo é uma praia da província do Bengo que fica a aproximadamente 1:30 h de Luanda. Linda, com águas claras, vila de pescadores, montanhas. Ops! TINHA montanhas, porque as montanhas foram transformadas em pedreiras e cada semana resta menos montanha para contar história.

O lugar paradisíaco e com enorme potencial turístico, freqüentado por surfistas loucos para aproveitar as esquerdas perfeitas, está acabando!

A lei ambiental não protege o local, não sei como funciona a concessão da exploração daquelas terras, mas uma coisa eu tenho certeza não é em nome da reconstrução do país que ela está sendo explorada. Afinal de contas, o que mais se constrói por essas bandas são condomínios luxuosos, o povo mesmo continua sofrendo nas musseques, sem água, sem luz, sem saneamento básico, sem coleta de lixo e com as suas “ruas” esburacadas!

Os ambientalistas locais até que se esforçam, em dez anos foram aprovados vários documentos legislativos incluindo políticas gerais e em alguns casos setoriais, dentre os quais a Lei de Bases do Ambiente, de Terras, legislação sobre avaliação de impacto ambiental, sobre as associações de defesa do ambiente, assim como documentos de política e estratégia para a proteção da biodiversidade e combate às alterações climáticas.

No entanto, conforme destacou, o ambientalista Vladimir Russo em entrevista para a Angop, “existem deficiências quanto à sua implementação prática e cumprimento da mesma tanto pelos cidadãos como pelos setores públicos e privados. Apontou como casos mais notáveis de incumprimento da legislação ambiental, o fato de haver uma deficiente implementação do decreto sobre a avaliação de impacto ambiental, com aspectos relacionados com a proteção das áreas protegidas, exploração insustentável de recursos naturais, entre outros.”

Angola é um país onde falta muita coisa, mas leis não faltam, elas já foram feitas! O que falta nesse caso, é que o governo e a sociedade cobrem que elas sejam cumpridas! Falta é que a iniciativa privada pense menos no lucro e respeite mais as leis ambientais.

O artigo 24º da Lei Constitucional garante aos cidadãos o direito de viver num ambiente sadio e não poluído. No meu entender, isso inclui preservar as áreas costeiras como a praia dos surfistas em Cabo Ledo.

9 comentários:

fernando baião disse...

Menina de Angola, você já fazia falta, tem coragem para denunciar o que de errado se faz no meu país, sem complexos. Leis, o angolano gosta de fazer, muitas vezes, ou a maior parte das vezes, copia o que se faz lá fora, dá banga, para o exterior, mas quanto ao cumprimento dessas mesmas leis no interior do país, aí, nikles. A destruição por este andar vai ser total, a ganância, a apetência pelo lucro fácil, está a ser como uma doença grave que se espalha por Angola inteira. Só me resta chover no molhado, bater no ferro quente, já não dá, o ferro está frio, deve-se insistir, mesmo que seja contra uma parede, denunciar, mesmo que as palavras fujam com o vento.Bom fim de semana e um kandandu forte

kandanda disse...

"...Desenvolvimento sim, emprego e bem-estar para as gentes laboriosas dessas paragens, mas sustentável sem por em perigo o ecossistema tão preservado e virgem como tem estado." Postei alguns tempos atrás a propósito de desenvolvimento, turismo, criação de emprego e abertura ao mundo dos locais sagrados de beleza inconfundível e rara. Também neste caso o teu apontamento me deixa triste e preocupado com a preservação de um património que não é só do Homem mas de todos os seres que habitam esses santuários que o Obreiro da Criação esmerou...pena que haja "civilização" como é que existe e os homens adoram. Paz, saúde, educação, bem estar Holístico seria a verdadeira civilização, tal com defende Leonardo Boff. Mas o homem, senhor....

Abraço,
Kandanda

Azoth Diamante* azul disse...

Angola um país de contrastes.

carla m. disse...

Menina de Angola,
fiquei fascinada com teu blog. Há pouco tempo me candidatei a uma vaga como professora da universidade de Luanda, e sigo com esperanças de que algum dia meu barco vá dar nesses costados daí.

E agora, fico com a esperança que os costados ainda existam, que não sejam destruídos pela especulação imobiliária nem pela inércia de governos...

abraço,

Anônimo disse...

parabéns pelo blog, menina

ótimo!

engricky disse...

Primeira vez que estou a ler este blog. Muito interessante.
Trabalho na área do ambiente e se há coisa que faz MESMO falta em Angola é ordenamento do território.
Também eu frequento Cabo Ledo e Sangano, onde as vivendas ainda crescem em maior número do que em Cabo Ledo, e fico bastante sensibilizado com a falta de consciência de quem tem o poder neste País. Há vezes que eu fico a olhar da água para aqueles casarões no topo dos morros de Sangano e penso "Se desaba para os desafortunados não há-de ficar de pé para os ricos"...

Luis disse...

Estava aqui a pensar em Cabo Ledo e na sua Linda praia e altas ondas e como gostaria de lá voltar. Conheço bem a pedreira e sinto o mesmo que tú. Certas coisas precisam e tem de ser denunçiadas. A quem?.... Força na tua luta, também quero ajudar.

Anônimo disse...

Como na natureza, também no mundo dos negócios, há diversidade e competição. Nem todas as empresas são iguais, nem todas são farinha do mesmo saco. Vc deve prestar atenção no que e em como elas atuam. Todo mundo quer carro, casa e computador e ninguem quer mineração ??? Isto é hipocrisia e já não engana mais. A palavra chave é SUSTENTABILIDADE. A s empresas compromissadas conhecem o conceito e terão prazer em explicar a vc. Procure despoluir sua mente.

Menina de Angola disse...

Sr. Anonimo

Bem se vê que vc não conhece Angola muito menos o real significado da palavra sustentabilidade.

Desenvolvimento não significa distruição do meio ambiente, muito menos distruição de uma reserva ambiental, exatamente o que está acontecendo.

Se um dia vc tiver o prazer de conhecer Angola de verdade vair ver que em sustentabilidade (no sentido real da palavra e não apenas no marketing inganoso apregoado aos 4 cantos), nenhuma empresa investe o que reina por aqui é o dinheiro.

E só para conhecimento Cabo Ledo faz parte de uma reserva florestal e existem inúmeras áreas no país onde poderia ser feita exploração consciente com geração de emprego e manutenção do meio ambiente.