quarta-feira, 18 de novembro de 2009

bazar de natal


Com a chegada do Natal muitas pessoas espalhadas pelo mundo sentem aquele apertinho no coração e começam a se mexer para fazer um pouquinho por aqueles que precisam de muito.

Isso é o que se chama milagre de natal. Pode ser muito pouco, ou mesmo quase nada e definitivamente não muda a vida de ninguém, mas que faz uma diferença enorme para aquelas crianças que não tem nada a isso faz.

Por isso, hoje estou aqui para ajudar a divulgar o bazar de natal do grupo Alegria.
Participem, o bazar acontece no dia 29 de novembro a partir das 16:00h no Cine Tropical.

6 comentários:

Rufino Fino Filho disse...

http://batemtodos.blogspot.com/2009/11/um-blog-censura-pela-camara-municipal.html

Luísa Alves disse...

Adorei seu blog e quero muito ser sua parceira. Não tinha encontrado ainda uma blogueira de Angola e pra mim será uma prazer ter você próxima apesar da distância. Sou do Brasil! :D
bjbj

Anônimo disse...

O perfil do cliente angolano em Portugal, que representa já 30% do mercado de luxo português é homem, 40 anos, empresário do ramo da construção, ex-militar ou com ligações ao governo. Veste Hugo Boss ou Ermenegildo Zegna. Compra relógios de ouro Patek Phillipe e Rolex.

O perfil do povo angolano, que representa 70% da população, é pé descalço, barriga vazia, vive nos bairros de lata, é gerado com fome, nasce com fome e morre pouco depois com... fome.

De acordo com as várias marcas contactadas pelo jornal Expresso, esses angolanos de primeira não olham a preços. Procuram qualidade e peças com o logo visível. É comum uma loja de luxo facturar, numa só venda, entre 50 e 100 mil euros, pagos por transferência bancária ou cartão de crédito.

Por outro lado, de acordo com a vida real dos angolanos (de segunda), 45% das crianças sofrem de má nutrição crónica e uma em cada quatro (25%) morre antes de atingir os cinco anos.

Na joalharia de luxo, os angolanos também se destacam, tanto pelo valor dos artigos que compram como pela facilidade com que os pagam. António Moura, que representa em Portugal a Chaumet, Dior e H. Stern, fala do caso recente de "uma senhora angolana que comprou uma pulseira por 120 mil euros, e pagou com cartão de crédito, sendo o pagamento imediatamente autorizado pelo banco".

Pois é. Em Angola, o acesso à boa educação, aos condomínios, ao capital accionista dos bancos e das seguradoras, aos grandes negócios, às licitações dos blocos petrolíferos, está limitado a um grupo muito restrito de famílias ligadas ao regime no poder.

Pois é. Entre milhões que nada têm, o importante são aqueles que vestem Hugo Boss ou Ermenegildo Zegna, compram relógios de ouro Patek Phillipe e Rolex, ou que dão 120 mil euros por uma pulseira.»

MINHA QUERIDA
COLOQUEI ESTE POST DO BLOG ALTO HAMA. AGRADEÇO-LHE EM NOME DOS MENINOS DO MEU PAÍS, CUJOS HOMENS SÃO CEGOS.
Beijinhos
Massaroca

Fábio disse...

Concordo plenamente com o ultimo comentário... País lindo que o Homem tornou feio...!!! TUDO ISTO É TRISTE, TUDO ISTO É LINDO, TUDO ISTO É ANGOLA....

Glenda Dimuro disse...

Olá!

Acho que já nos conhecemos pela blogsfera porque te pedi informações sobre a vida na Angola. Agora venho aqui por outro motivo. Faço parte de um blog coletivo chamado Brasil com Z que conta um pouco sobre a vida dos brasileiros espanhados pela mundo. Estamos buscando novos colaboradores e não temos nenhum da África, muito menos da Angola. Acho que a tua participação seria muito interessante.

Não existe número estipulado de postagens ao mês, deixamos isso a critério do colaborador. O que pedimos é que sejam temas interessantes tanto para quem pretende viver ai como para quem tem simplesmente curiosidade pelo país onde vives.

O site é esse: www.brasilcomz.wordpress.com

Passa lá, dá uma olhada e depois me diz que topas fazer parte do nosso time!

Me responde no meu blog pessoal ou por email glenda.dimuro@gmail.com

Abração!

Joaquim Angelo disse...

É pena que em Angola uns tenham tudo e outros vivem a minga, olhando para as mãos dos que tudo têm...