quarta-feira, 13 de agosto de 2008

Sumbe: Paraíso ou inferno?



Um paraíso natural escondido entre as mazelas africanas, assim é o Sumbe, cidade litorânea da Província de Kwanza Sul. As águas azuis do mar aliadas ao calçadão bem cuidado por si só já seriam suficiente para fazer do Sumbi um “Guaruja” angolano. Mas além disso no sumbe ainda existem inúmeras atrações naturais inexploradas.



O potencial turístico da região é enorme, existem rios com corredeiras para os apaixonados por rafting, canyons, cachoeiras, fontes de águas quentes e muitos vales verdes para a prática de trekking ou simplesmente para sentar e ficar apreciando o por-do-sol.



Os ventos que sopram na praia também são fonte de inspiração para os amantes da vela, asa delta e kite surfing.



Qualquer operadora de ecoturismo ficaria encantada com o lugar. Mas o que acontece no Sumbi é o oposto. O lugar está abandonado, os morros cheios de casebres e as famílias amontoando-se nas estradas a espera que alguém pare para comprar bananas, milho, tomate, peixe e etc.



Eu não sei exatamente como aquelas famílias sobrevivem uma vez que não existem indústrias, plantações, comércio e muito menos turismo na região.



O mais chocante pra mim e ver a quantidade de terra improdutiva ao longo de todo o trajeto. São kilometros e kilometros de terras abandonadas. Provavelmente seus donos estão à espera que a especulação imobiliária avance para o interior e eles possam lucrar com a venda.



Enquanto esse dia não chega à grande massa da população permanece sem água, sem luz, sem educação, sem saúde e sem emprego. As estradas imensas cheias de crianças que perdem a infância na beira da estrada a espera que alguma alma benevolente pare para comprar seus produtos. Mas a verdade seja dita, apesar de todo o sofrimento, elas ainda mantém aquele enorme sorriso angolano!

9 comentários:

Migas disse...

Sumbe, foi a primeira viagem que fiz para fora de Luanda, logo no meu primeiro mês cá. Bem diferente da confusão da capital. Tem realmente sítios óptimos para o desnvolvimento de espaços turísticos. Acho que isso acontecerá um dia. Mas, face às circusntâncias do país durante tantos anos, as coisas surgirão no devido tempo. Repara o que seria trazer turistas para cá. Falando de Luanda, por exemplo. Como é que eles se iriam deslocar pela cidade? A pé? De candongueiro? Difícil, né? Imagina, mesmo que eu quisesse trazer cá um familiar ou amigo. O que ele iria fazer durante a semana, quando eu estivesse a trabalhar? Ficar em casa? Complicadooo...

Beijão

renata bomilcar disse...

Nossa San...

que dicotomia esse lugar...
Não sei se teria estrutura para morar num luguar assim, com diferenças tão grandes. Não que o Brasil seja exemplo, mas sei lá... se aqui eu já sofro, imagina ai...

Beijos

Renata

Anônimo disse...

Que tristeza ver uma cidade que já foi porto de escoamento dos cafés produzidos nas fazendas do interior das vilas de Conda, Vila Nova do Seles e Gabela, alem de produção de algodão, banana, azeite de dendê e farinha de peixe produzida na fabrica de Kikombo. É realmente de entristecer saber que essa região é após 33 anos de liberdade!

Anônimo disse...

Que tristeza ver uma cidade que já foi porto de escoamento dos cafés produzidos nas fazendas do interior das vilas de Conda, Vila Nova do Seles e Gabela, alem de produção de algodão, banana, azeite de dendê e farinha de peixe produzida na fabrica de Kikombo. É realmente de entristecer saber que essa região é após 33 anos de liberdade!

Anônimo disse...

durante muito tempo, novo redondo foi uma cidade encantada, cheia de vida, uma cidade onde o trabalho era uma constante, havia no chingo a algodoeira, onde centenas de camiõs diariamente descarregavam algodão, prodozido nas regiões limitrofes, uma terra de belezas sem par, o rio cubal que serpenteava ate chegar a foz, as cachoeiras, as fazendas de cafe, o kicombo onde havia grades frotas de pesca, em suma, terra de sonho, uma terra onde todos qureriam voltar,. como será hoge? para sempre estara no meu coração. com saudade F. C.R.

jocineide bomfim disse...

Sumbe para mim é um lugar promissor, assim como o continente africano, um lugar bonito e com sua fonte de beleza natural. Se há alguns elementos que denotam a desigualdade social, em todas as partes do mundo também existe. Enfim, é preciso ver o Sumbe com olhos bem de ver, enxergar sua beleza, seu povo alegre e encantador. Uma das fontes de beleza africana

Ansi disse...

sumbe k saudades onde fui feliz e onde quero voltar .terra k tem potensialidades para ser uma terra muito boa com muita qualidade de vida . basta haver boa vontade e crescera esta la muito espirito enpreendedor .vai certamente haver qualidade de vida.povo maravilhoso k merece as criancas merecem condicoes de vida-um abraço m grande para o povo do sumbe.

Ansi disse...

angola grande pais k muito precisa para se desenvolver o povo angolano merece as criancas precisam de ter qualidade de vida.sorriso lindo eu vi naquele povo maravilhoso.g beijo ate breve angola.angola sempre a subir.

Ansi disse...

aopovo do sumbe desejo tudo de bom onde quero voltar rever pesasoas maravilhosas k la conheci .abril 2 2010 mimi pratas