segunda-feira, 5 de março de 2012

Chute a Pólio


Fotos: Everton Fileti e Juliana Hadad

No último final de semana a OMS realizou em Angola a campanha de vacinação contra a pólio. E eu tive o privilégio de poder participar no sábado. Foi uma das experiências mais gratificantes que já tive em Angola. Primeiro por poder ajudar a uma causa nobre e segundo por desmistificar os becos e vielas das musseques.

Saímos em trios pelas musseques do Maianga, batendo nas portas, subindo nos prédios e chamando as Mamás para vacinarem as crianças de 0 a 5 anos de idade. Foram mais de 4 horas de caminhada encontrando pessoas alegres e solidárias pelo caminho.



Até São Pedro veio ajudar e deixou o sol forte guardadinho atrás das nuvens. O que facilitou muito o nosso trabalho, já que o calor em África não é brinquedo não.
As situações que mais me chamaram a atenção durante todo o trajeto foram:

1- As vielas limpas e organizadas que encontramos em meio ao caos que qualquer musseque tem, em alguns lugares os cidadãos se organizaram e mesmo sem apoio do governo cimentaram suas vielas, limparam, colocaram plantas e fizeram caminhos para que a água possa escoar. Mostrando mais uma vez que com educação não há problema sem solução.

2- A quantidade de bebês que nascem em casa, nós encontramos pelo caminho vários bebezinhos de 5, 10 ou 15 dias. Nesses casos as mamães ficavam na porta de casa esperando que a gente passasse para chamar-nos para vacinar os bebes que tranquilamente dormiam. Essas mulheres tiveram os filhos na própria casa com a ajuda de parteiras sem nenhum suporte do governo também. Nos vacinamos e alertamos da importância delas irem ao posto de saúde.

3- Por várias vezes senhores nos pararam nas ruas para agradecer e dizer que era bonito de ver o trabalho do governo (?).



O sorriso das mamães com as crianças nas costas quando diziam “Já apanhou vacina” não tem como descrever. Ao contrário do que pensamos não tivemos nenhuma recusa ou receio das mães, muito pelo contrário.

Só em dois casos não pudemos vacinar as crianças. Primeiro numa casa de Malianos que nem se quer quiseram conversar e depois na casa de um casal Indiano que a mulher estava sozinha, mas prometeu que levaria a criança ao hospital depois.

O saldo, quase 100 crianças vacinadas em 4 horas, muitos e muitos kms percorridos e uma batata da perna dolorida que não me deixa esquecer do sábado que eu conheci a verdadeira Luanda.



Para quem quiser ajudar, a segunda fase da vacinação será dias 31 de março e 1 e 2 de abril.

5 comentários:

JU HADAD disse...

Foi um prazer incrível fazer parte deste trabalho ! O post está ótimo !!! Lembrando que foram quase 100 crianças por trio :))) Obrigada, menina de Angola

Xs disse...

Muito bom!
Qualquer dia também participo!
:)

cecilia disse...

Como faço para participar no programa de vacinas?
Sou portuguesa, vivo em luanda, e adorava contribuir de alguma forma para melhorar a vida das pessoas.

Menina de Angola disse...

Ju, prazer é ter a sua companhia :)

Xs, venha!

Cecilia, me manda uma mensagem com seu e-mail e telefone que eu vou encaminhar para a pessoa que organiza. Não se preocupe que eu não publico no blog.

um abraco

dirce regina simczak disse...

Parabéns! Sao de pessoas assim que o MUNDO precisa.
Faco parte da equipe da OMS e estou em Kuito justamente para ajudar na certificação do Pais livre da Polio, com acoes de vigilância epidemiológica.Sou enfermeira brasileira em Angola